Lutadores de taekwondo comentam golpe e fratura de Anderson Silva

Por Marcel Merguizo

O lutador de MMA (artes marciais mistas) Anderson Silva já disse que pensava representar o Brasil no taekwondo nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Voltou atrás. O chute sempre foi uma das principais características dele.

 

Na última semana, aliás, um chute resultou na fratura de dois ossos da perna esquerda de Anderson, na luta que perdeu para o norte-americano Chris Weidman, campeão dos médios do UFC.

 

Para tentar entender o que pode ter acontecido com o brasileiro, o Olímpicos consultou alguns dos principais lutadores brasileiros de taekwondo na atualidade para saber a opinião deles sobre o golpe e a fratura de Anderson Silva.

 

Veja abaixo as respostas de Natália Falavigna, campeã mundial-2005 e bronze na Olimpíada de Pequim-2008, Diogo Silva, ouro nos Jogos Pan-Americanos de 2007 e da Universíade-2009, e Talisca Reis, prata nos Jogos Mundiais Militares-2011.

 

Olímpicos – Você já viu no taekwondo alguma fratura igual ou semelhante à que o Anderson Silva sofreu? 

Diogo – Não, mas já ouvi falar de casos parecidos.

Natália – Não.

Talisca – No taekwondo nunca vi uma lesão assim com chute. Mas no braço, sim, por usarmos muito pra defender o chute mesmo usando proteções.

 

Por que esse tipo de fratura não acontece no taekwondo? 

Diogo – No taekwondo é um pouco difícil acontecer algo desse tipo pois os chutes não usamos a tíbia e, sim, o pé.

Natália – Temos proteção [caneleira] na tíbia e também porque não usamos essa técnica de chute.

Talisca – Esse tipo de fratura não acontece porque usamos proteções e também não podemos chutar da cintura pra baixo.

 

Por que você acredita que Anderson Silva sofreu a fratura? 

Diogo – Acredito que a grande razão da lesão foi a defesa do Weidman, mas também o jeito que o chute foi aplicado. Pode ser também que já tivesse alguma micro fratura ali na tíbia e resultou nisso, não sei dizer a razão.

Natália – Já vi muitos chutes desse tipo e nunca vi acontecer essa lesão, acho que tinha que ser. O motivo é uma incógnita.

Talisca – Foi uma situação que na qual não podemos dizer de quem foi a culpa, o Weidman simplesmente se defendeu assim como qualquer golpe que levaria na perna e, infelizmente, houve essa fatalidade de levantar o joelho no momento do chute. Foi  muito triste a imagem, estava assistindo e no momento do acidente eu só virei a cabeça de lado e disse “oh my god!!” Senti um pouco da dor naquele momento só de ver a cena.

 

O MMA sofre com críticas sobre a violência da modalidade. Qual a sua opinião?

Diogo – Acho que todos que estão ali são preparados para aguentar o que vem pela frente, realmente para quem não é do ramo podemos parecer perigoso, assim como qualquer arte marcial que não praticamos. Mas confesso que o MMA é um pouco mais duro porque não existe nenhum tipo de proteção.

Natália – Acho violento por não existir nenhum tipo de proteção, eu não faria.

Talisca – O MMA é um esporte muito completo, pois exige um pouco de cada modalidade, acho o máximo, tenho vontade de praticar depois que encerrar a minha carreira como atleta de taekwondo.

 

X